Pesquisar este blog

Carregando...

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

PARAUAPEBAS ESTÁ EM CRISE?

Dias atrás ouvi uma entrevista do Presidente da CDL de Parauapebas, Daniel da Paulistinha na Rádio Arara Azul. Ele demonstrava com números a preocupante queda nas vendas do comércio local e apresentava uma visão catastrófica sobre o futuro do setor varejista e de serviços em geral. Já ouvi de várias pessoas essa mesma avaliação. Muitos se queixam do paradeiro que a cidade atravessa e o retrato mais fiel da crise é o numero de placas de aluguel de imóveis espalhadas por todos os cantos da cidade.

Há quem diga que essa crise começou após a posse do atual prefeito Valmir Mariano. O argumento principal é que devido a grande corrupção o rico orçamento parou de circular na cidade e hoje se concentra nas mãos de uma meia dúzia de empresários, em sua maioria de fora.

Mas será que estamos realmente em crise? A minha resposta é categórica: não estamos em crise. Ao contrário, Parauapebas está experimentando um momento de maturidade e de crescimento que poderá trazer muitos benefícios aos que tiverem a sabedoria e visão para aproveitar essa onda. A crise está na cabeça das pessoas, principalmente dos empresários conservadores que se acomodaram e acostumaram a surfar numa onda artificial e pararam no tempo. Só para ilustrar essa situação, outro dia ouvi de uma senhora o seguinte depoimento: "hoje sai para comprar um microondas e após tentar em quatro lojas, comprei na quinta depois de forçar a barra para ser atendida por uma vendedora. Em todas as lojas que entrei fui ignorada por vendedores que ficaram em grupos batendo papo. Na quarta loja fui atendida, mas depois de um tempão, na hora de pagar, descobriram que o vendedor tinha preenchido o formulário de venda errado e eu tinha que começar tudo de novo. Desisti. Na quinta loja, tive que gritar e pedir para ser atendida. E olhe que eu queria comprar um simples microondas e a vista!", relatou a cliente indignada. Você se identificou com essa história? Já foi mal atendido no comércio local? Já enfrentou filas em hospitais particulares e ainda foi mal atendido? Já foi ignorado em lojas? Já foi humilhado em bancos? Já ficou um tempão gesticulando com os braços para ser enxergado pelo garçom do restaurante?

A onda artificial na economia de Parauapebas


Experimentamos até aqui o que eu chamo de uma onda artificial na economia do nosso município. Com nossa crescente riqueza, nos acostumamos com milhões, com a pouca oferta de serviços e com a grande demanda de consumidores. Comenta-se que se você botasse uma banca de espetinhos, poderia se dar ao luxo de escolher seus clientes pela cor dos olhos. Em todos os setores a procura foi sempre maior do que a oferta. Os aluguéis por exemplo alcançaram preços estratosféricos e completamente fora da realidade.

Com toda essa pujança nossos empresários se acomodaram e não investiram na qualidade da prestação dos serviços. Não investiram em infra-estrutura, em treinamentos de mão-de-obra, em atendimento, em tecnologia... A máxima conservadora de que "time que está ganhando não se mexe" predominou e predomina até hoje. 

Os tempos mudaram, a realidade é outra e nossos empresários ainda estão se comportando como se vivessem numa currutela de garimpo. Com os novos investimentos que a cidade tem recebido, principalmente no setor imobiliário e comercial, a onda artificial da economia tem perdido força e tende a se desfazer. Aos poucos estamos entrando na realidade de qualquer cidade que cresce e se desenvolve. Quem insistir em continuar surfando nessa onda artificial vai cair e quebrar a cara.

Crise? Que crise?


Como assim, o nosso município está em crise? É claro que o rico orçamento da prefeitura parou de circular e está concentrado nas mãos de poucos. É claro que a paralisia do governo reduz a movimentação de serviços. Mas isso é apenas uma marolinha como dizia nosso Presidente Lula. Reflitam comigo e me responda se estamos em crise: quem é o empresário louco que investiria milhões numa cidade que está em crise? Qual grande empresa iria construir uma super estrutura num município com economia decadente? Isso não lhe parece estranho?

Antes que alguém me acuse de excesso de otimismo, cito alguns exemplos: dois grandes hotéis internacionais estão investindo em Parauapebas; um grupo comprou o cambaleante Unique e transformou no Partage Shopping e está revitalizando-o totalmente; novas lojas estão abrindo no shopping; as Lojas Americanas estão abrindo mais duas unidades em nossa cidade; acaba de ser inaugurada a loja Havan, uma das maiores do setor; o grupo Mateus está construindo um mega supermercado ao lado do shopping. Esses são apenas alguns dos vários investimentos que estão turbinando nossa economia. Será que todos esses empresários estão ficando loucos? Será que não fizeram pesquisa sobre o potencial econômico do nosso município? Acho improvável.

Quebrando paradigmas


O grande problema é que enquanto os empresários de fora estão enxergando o potencial que há em nosso município, os empresários locais estão perdendo tempo com lamentações. Essa onda artificial que citei deixou a maioria com uma venda nos olhos e com um tampão nos ouvidos. É preciso que ousem, que quebrem paradigmas, que invistam, que se reinventem, que se reciclem. Caso contrário, continuarão perdendo espaço e mercado para os de fora e ficarão apenas com a lembrança melancólica do apito do trem.



quinta-feira, 27 de novembro de 2014

CALAMIDADE PÚBLICA: SAÚDE DE PARAUAPEBAS VIRA CASO DE POLÍCIA

Parece filme de ficção, mas na mais rica cidade do Brasil, a saúde vive um caos jamais visto em Parauapebas. Só para lembrar, o Prefeito Valmir se elegeu com as promessas de melhorar a saúde e terminar a obra do novo hospital em seis meses. Dois anos já estão passando e o novo hospital recebeu uma mão de tinta e foi abandonado. Agora o Valmir pediu arrego e entregou o prédio ao governador do Estado para desgraça da população carente.

Nessa segunda (24) os médicos da rede pública de forma inédita foram a delegacia de Polícia Civil e registraram um Boletim de Ocorrência contra a Prefeitura. Segundo os médicos a situação é grave e falta tudo: desde os medicamentos básicos até curativos, além dos exames que foram suspensos por falta de material. Essa situação segundo os médicos denunciantes, aumenta o risco de morte no Hospital Municipal e coloca a própria categoria em risco.

Quem mora aqui em Parauapebas há muito tempo sabe que a saúde sempre foi o calcanhar de aquiles dos governantes, mais jamais se viu uma situação tão caótica como esta que estamos vivenciando agora. Por incompetência, desprezo e descaso do governo Valmir, a população está padecendo e sofrendo todo tipo de humilhação. Pela primeira vez na história desse rico município, a saúde vira caso de polícia. Os médicos avisaram que estão em estado de greve e os atendimentos foram reduzidos para se evitar maiores riscos à população. 

A culpa é da licitação


Os médicos apresentaram uma pauta de reivindicação ao governo. Esse, colocou toda a culpa na equipe de licitação. Uma desculpa esfarrapada de quem não tem competência de gestão. Aliás, todos os problemas como abandono de obras, falta de materiais, atraso na entrega do material escolar, entre outros, foram atribuídos à equipe de licitação. Por incrível que pareça, a única compra que não atrasou e não teve problema com licitação foi a compra escandalosa dos contraceptivos que está sendo investigada pela CPI.

Secretaria de Saúde abandonada


Desde que o Secretário de Saúde Dr. Rômulo foi demitido após denuncias de má gestão, o prefeito abandonou a pasta a sua própria sorte, numa espécie de vingança macabra por ter sido obrigado a demitir seu compadre. Até o presente momento ninguém toca no assunto do novo secretário. 

CPI em silêncio


Na última sessão dessa terça (25) nenhum vereador do G-5 sequer tocou na CPI. Nem um informe, nem uma citação. Esse tema tem esquentado as últimas sessões, mas dessa vez foi ignorado. E olhe que os vereadores tinham motivo de sobra para soltar rojões e explosivos nessa última sessão devido a um fato de grande relevância que aconteceu. O Valmir com o Presidente da Câmara tem tentado a qualquer custo cancelar a CPI. Recorreu à justiça e perdeu em primeira instância. Essa decisão a favor do G-5 foi bastante comemorada na tribuna. Acontece que o governo recorreu da decisão e perdeu novamente em Belém. O estranho é que nenhum vereador tocou no assunto. Tive a impressão de que os ventos mudaram. Só impressão. Espero que o G-5 tenha se silenciado por alguma estratégia.

Indignação


Desculpem o desabafo, mas fico indignado quando vejo vereadores petistas e alguns membros da direção partidária cogitando em embarcar no governo Valmir em troca de cargos. Essa hipótese sequer deveria ser pensada, imaginada nem de longe. Isso é tão sujo, tão nojento, tão asqueroso que me dá asco só de pensar. É um ato vil, desonesto e de baixos propósitos. É como fazer um pacto com o diabo e entregar os próprios filhos em troca.

Mais uma vez quero deixar claro que não sou contra os acordos políticos. O PT poderia sim compor com qualquer governo e partido, mas teria que ser uma negociação limpa, pautada na ética e não decisão de porão. 


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

SESSÃO DE 25 DE NOVEMBRO - O IMPÉRIO DA TRISTEZA

Os discursos proferidos pelos nossos vereadores (principalmente os da oposição) estão cada vez mais repetitivos, previsíveis e carregados de "tristeza". Ao ouvi-los fico a pensar: "será que vale a pena ser vereador? Por que insistir nessa 'sofrência'"? A vereadora Eliene vem repetindo seguidamente as expressões "estou triste", "fiquei triste", "isso me deixa triste". Por duas sessões seguidas disse que "vereador não faz obras e que se ela tivesse o poder de fazer obras Parauapebas estaria um canteiro de obras". Outros vereadores seguem a mesma ladainha. Reclamam de emendas que foram ignoradas pelo Prefeito, de Projetos de Lei que foram engavetados, de ruas que continuam esburacadas, etc. etc. Parece que nossos vereadores estão com mãos e pés amarrados, e por enquanto só lhes restam a boca para falar. Pelo jeito que a coisa anda, daqui uns dias nem bocas terão mais, pois a mordaça já está sendo preparada. 

Diante desse quadro, podemos afirmar que o Poder Legislativo é uma mera peça de ficção em Parauapebas. Quem manda mesmo e do jeito que quer é o Prefeito com poder e grana. Outro dia o ex-vereador Faisal deu uma polêmica entrevista na Rádio Arara Azul e propôs o fim da Câmara de Vereadores. Disse que com esse modelo que está aí, ela é desnecessária e nunca cumprirá sua função que é de legislar. 

De fato Faisal tinha razão. O modelo a que ele se referia e que não funciona é o balcão de negócio que se estabeleceu entre o Legislativo e o Executivo. Funciona assim: o Prefeito distribui secretarias aos vereadores para chamarem de suas. Esses vereadores perdem completamente sua autonomia, pois qualquer pisada na bola (ou nas bolas do Prefeito) é ameaçado de perder sua galinha dos ovos de ouro. E ainda tem gente tão ingênua que acredita que isso não tem nada a ver. Tem vereador que jura de pés juntos que mesmo estando no comando de uma secretaria faz seu papel de vereador com independência. Será que acham que o povo é tão estúpido assim? O pior é que quem está fora desse esquema (vereadores da oposição) está querendo entrar. Recentemente a bancada do PT só não foi para os braços do Valmir em troca de secretarias porque esse não quis. Primeiro o Prefeito os seduziu e depois deu um pé na B... com direito a gargalhadas e chacotas.

Por falar em Faisal, ontem ele estava por lá assistindo a sessão. O protocolo da Câmara sugere que sempre que tiver uma autoridade ou ex-autoridade na casa, deverá ser convidado para a tribuna de honra, mas não foi o que aconteceu. Faisal observava atentamente os discursos dos vereadores e deve ter ficado intrigado com o que ouvia. 

Vereador tem algum poder?


Teria, se tivesse independência e vontade. Esse blá, blá, blá de que vereador não pode fazer nada além de falar é apenas síndrome de vítima. Vereador tem poder de fazer acontecer. Ele é um legislador, um fiscal, um representante do povo. Tem o poder de cassar o Prefeito e de exigir que os recursos sejam aplicados com transparência. Então por que não faz acontecer? Porque está amarrado e comprometido com o esquema imposto pelo Prefeito. E está amarrado por livre vontade. Está preso voluntariamente na "gaiola de vidro", no "pântano dourado".

Veja um exemplo:


Na sessão do dia 26 de agosto o Presidente da Câmara Josineto Feitosa denunciou os "buracos do Gesmar". Disse que o SAAEP abriu valas no asfalto do seu bairro para colocar água. Deixou o bairro intrafegável e sem água. O serviço que era apenas para angariar votos ficou abandonado. Sabe que providências foram tomadas? Nenhuma. Estamos no final do ano e o bairro continua sem água e com as valas abertas. O que fez o vereador? Esqueceu e aprendeu a conviver com os buracos. O que deveria fazer? Exigir medidas de reparo e continuidade da obra. Deveria mobilizar o povo para fazer acontecer como fazia muito bem antes de ser vereador, e em último caso, deveria representar contra o Gesmar e contra o Valmir no Judiciário. Simples assim. Esse seria o verdadeiro papel do Vereador.

Na sessão do dia 09 de setembro do corrente o vereador Arenes, durante seu discurso falou uma verdade desconcertante. Disse o seguinte: "Se um único Vereador fizer bem o seu trabalho, bota o Prefeito de joelhos". Será que vai aparecer esse vereador? Estamos na torcida. Só "unzinho" haverá de aparecer.

Veja outro exemplo de ineficiência


Foi amplamente divulgado na mídia o orçamento de 2015 enviado pelo governador Jatene à Assembléia Legislativa. Eu mesmo divulguei aqui. O Jatene se vingou de forma vil do povo da Região Carajás ao reduzir o nosso orçamento de 8,88 em 2014 para 2,68 em 2015. Uma violência que deveria ser motivo de grande mobilização por parte dos vereadores que se importam com essa região. Pasmem! Apenas o vereador Arenes na sessão de ontem tocou nesse assunto. Os demais ignoraram. Cadê nossas lideranças políticas? Cadê o Comitê Pró-Carajás? Será que só funciona durante campanhas políticas? Como diria Boris Casoy, "isto é uma vergonha". 

O que aconteceu de interessante na sessão de ontem foi a comoção pelo assassinato brutal da adolescente Barbara Lira. Todos os vereadores que usaram a tribuna expressaram sua indignação e cobraram providências. O Miquinha lembrou que na sessão de 20 de agosto denunciou o abandono da Praça da Bíblia e cobrou providências. Mesmo com orçamento para a revitalização da Praça, continuou abandonada e servindo como ponto de encontro de criminosos. Essa tragédia foi mais um efeito da omissão do Prefeito e das autoridades. 

Para finalizar, o vereador Odilom que mais uma vez foi bastante vaiado fez mais uma denúncia grave contra a Secretaria de Meio Ambiente. Disse que "nossas Áreas de Proteção Ambiental viraram Áreas de Especulação Imobiliária". A coisa é tão grave que até mesmo o líder do governo denuncia a inércia e a irresponsabilidade do Prefeito contra o meio ambiente. Alô Conselho Municipal de Meio Ambiente! Alô Instituto Chico Mendes! Alô Ministério Público! Alô...!!!

E a CPI da saúde?

Falarei sobre isso à parte no próximo post.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

FHC e a corrupção na Petrobras

Outro dia um anônimo (não tão anônimo assim) que visita esse Blog com frequência, numa espécie de paixão frustrada, postou o seguinte comentário: "Ei pião tu não publica nada do PTrolão? Mensalão e petrolão, cadê você? Quero vcs aqui neste blog só pra te lê...". Prometi à ele que nessa terça publicaria um texto escrito por um tucano só para satisfazê-lo. Só que achei esse texto bem mais atualizado e resolvi publicar em homenagem a esse anônimo. O texto do tucano deixarei para amanhã (26). 

Dedico esse belo texto ao anônimo do comentário acima e aos demais que acreditam que o governo do PT inventou a corrupção no Brasil, ou mesmo que tenha intensificado. Só tenho dúvidas se quem tem esse tipo de raciocínio terá condições de ler um texto desse até a metade.

Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:


Quando Aécio Neves e Fernando Henrique Cardoso se juntam para fazer críticas ao governo Dilma e à Petrobras, ou é sinal de que ambos estão com sérios problemas de memória, ou que não estão acompanhando as notinhas que vez por outra têm saído na imprensa amiga dos tucanos

Na sexta feira (21), o ex-gerente da diretoria de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco, depois de fazer acordo de delação premiada como forma de diminuir seu possível tempo de prisão, relatou em depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal, que recebeu cerca de US$ 100 milhões em propinas por negócios escusos na Petrobras desde 1996, no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Barusco se aposentou na Petrobras em 2010 e, a partir daí, foi diretor de Operações da Sete Brasil, empresa que tem contrato atualmente com a Petrobras.

Fazendo coro com Barusco, na mesma semana foi a vez de outro diretor, o lobista Fernando Antonio Falcão Soares, conhecido como Fernando Baiano, dizer à Polícia Federal que começou a fazer negócios com a Petrobras durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Contou Baiano, que, por volta do ano de 2000, celebrou contratos milionários com uma empresa espanhola, que na época o país vivia o apagão da energia e que a estatal buscava parceiros internacionais na área de produção de energia e gás para suprir a demanda. Ele disse também que conheceu Nestor Cerveró no governo Fernando Henrique. Na ocasião, segundo ele, Cerveró era um dos gerentes da Petrobras.

De acordo com uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo no ano de 2009, sob gestão de FHC a estatal usou decreto criado por ele mesmo para não aplicar a Lei de Licitações em parte dos contratos. Amparada por um decreto presidencial de 1998 e por decisões do STF (Supremo Tribunal Federal), a Petrobras fechou acordos sem licitação de cerca de R$ 47 bilhões (valor não atualizados)

Somente entre 2001 e 2002, no mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP), a Petrobras contratou cerca de R$ 25 bilhões sem licitações, em valores não atualizados.

Em 2009 teve uma CPI da Petrobras como agora. O requerimento foi de Álvaro Dias e recebeu assinaturas de apoio dos então senadores Demóstenes Torres (que era do DEM) e Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Na época ninguém entendeu o fato de, após alguns dias de funcionamento, a CPI criada por parlamentares do PSDB ter sido abandonada sem que nada fosse investigado. A comissão foi instalada em julho e acabou em novembro. Sérgio Guerra e Álvaro Dias, também do PSDB, abandonaram a comissão no fim de outubro.

Somente no mês passado todos conheceram o real motivo da desistência.

O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso na Operação Lava Jato após decidir colaborar com o Ministério Público Federal, afirmou em depoimento que repassou propina no valor de R$ 10 milhões ao ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra, para que ajudasse a esvaziar uma Comissão Parlamentar de Inquérito criada para investigar a Petrobras em 2009. Guerra era senador e integrava aquela CPI. Ele morreu em março deste ano e foi substituído por Aécio Neves no comando do PSDB.

Segundo depoimento de Costa, as empresas que prestam serviços à Petrobras tinham como objetivo nessa época encerrar logo as investigações da CPI , porque as empreiteiras temiam prejuízos. O PSDB sempre culpou o PT e Lula pelo fim da CPI. Um dos textos do site do PSDB publicado em março deste ano, traz o seguinte título: “Governo engavetou CPI da estatal em 2009” Agora sabemos que o PSDB atribuiu ao PT uma culpa que ele não teve

Junto a todos esses fatos, o dono da UTC, Ricardo Pessoa, disse em depoimento à Polícia Federal que tinha contato próximo com o arrecadador de campanha do PSDB, o Doutor Freitas, Sérgio de Silva Freitas, ex-executivo do Itaú que atuou na arrecadação de campanhas tucanas em 2010 e 2014 e que esteve com o empreiteiro na sede da UTC.

Ainda de acordo com o depoimento, o objetivo da visita do "doutor Freitas" foi receber recursos para a campanha presidencial de Aécio originadas de propinas entre construtoras que prestavam serviços à Petrobras.

Vale aqui recordar o comentário do jornalista da Rede Band, Ricardo Boechat – que pode ser taxado de tudo, menos de ser petista: “Fernando Henrique Cardoso está sendo oportunista quando diz que começa a sentir vergonha com a roubalheira ocorrida na gestão alheia. É o tipo de vergonha que tem memória controlada pelo tempo. A partir de um certo tempo para trás ou para frente você começa a sentir vergonha, porque o presidente Fernando Henrique Cardoso é um homem suficientemente experiente e bem informado para saber que na Petrobras se roubou durante o seu governo”.

A NOVA CARA DA ACIP

Humberto - novo presidente da ACIP
Na última terça-feita (18) aconteceu a eleição para a nova diretoria da ACIP (Associação Comercial e Industrial de Parauapebas) para o biênio 2015 e 2016. Numa disputa acirrada onde três chapas concorreram, venceu a chapa "Seguir em Frente liderada por Humberto Costa que obteve 70 votos dos 135 válidos. As duas chapas derrotadas foram lideradas por Daniel Paulistinha e Melo da Melo Artes e Comunicação Visual.

A ACIP que já foi considerada a Associação mais forte de Parauapebas com grande importância no campo social, político  e econômico, vinha atravessando uma fase de apatia. Prova disso é que dos mais de 600 associados, menos de 200 sócios votaram. Muitos estavam impedidos por falta de quitação de anuidades, outros nem compareceram. 

Humberto Costa, 55 anos, casado, formado em Filosofia e Contabilidade é Diretor do Grupo Geoterra, tem uma grande missão nos próximos dois anos. Com uma visão vanguardista, muito otimismo e entusiasmo Humberto promete uma gestão dinâmica, moderna e arrojada. Reconhece a grande importância da ACIP no desenvolvimento de Parauapebas e diz estar confiante com o time escolhido para essa grande missão. "Apenas estou liderando um projeto, mas sei que nada poderei fazer sozinho. Por isso montamos uma chapa com os melhores nomes. São empresários, comerciantes com muita disposição e com vontade de trabalhar por uma só causa que é organizar o setor empresarial, comercial e de serviços para enfrentar os desafios que Parauapebas nos apresenta. Além dos colegas que compõem a chapa, vamos envolver todos os associados e a sociedade em geral para potencializar os resultados. Esse é um trabalho de construção coletiva onde ouviremos a todos com muita seriedade e reconduziremos a ACIP ao grau de importância que deve ter," considerou Humberto. 

De fato, a ACIP mesmo perdendo força nos últimos anos, se mantinha como uma associação forte e com grande interferência principalmente no campo político em Parauapebas. Nas últimas eleições para prefeito a entidade apoiou informalmente os candidatos eleitos, demonstrando assim forte liderança e poder de influência junto aos setores de Classe Média. 

Humberto terá um grande desafio na sua gestão. Como principal prioridade deve trazer de volta todos os associados e manter uma comunicação permanente com a classe. Deve ter em seu planejamento a ampliação do quadro de associados, atraindo principalmente as pequenas e médias empresas que compõem a principal força econômica de Parauapebas. Outro desafio é oferecer cursos e treinamentos à classe empresarial para melhorar o atendimento e os serviços prestados à população, pois sabemos que esse é um calcanhar de aquiles em nosso município. 

A Associação Comercial e Industrial de Parauapebas será sem dúvida alguma um grande divisor de águas no desenvolvimento de nossa cidade. Composta por uma classe com grande influência e poder de mobilização, poderá influenciar muito nas decisões políticas e nas prioridades de crescimento de Parauapebas. Por isso, vale a pena acompanhar os trabalhos e as prioridades dessa nova diretoria.

Desejamos sorte ao Humberto Costa e a todos os membros da chapa vencedora.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

BLOG DO LUIZ VIEIRA VAI VIRAR LIVRO

Ao completar um ano de existência, o Blog atingiu a marca de 100 mil acessos. No início foi um susto, pois jamais imaginávamos alcançar tal marca. Daí veio a ideia: por que não transformar esse projeto num livro? Seria muita pretensão? No início pensei em publicar 100 páginas para homenagear os leitores. Passei a escolher e selecionar os textos que fizeram mais sucesso e tiveram mais acesso no Blog. Rapidinho estava com mais de 200 páginas. Depois de muitos cortes e enxugamentos, selecionei alguns textos e encaminhei para diagramação. 

Escolhi só textos exclusivos com diversos teores: análise política, homenagens, crônicas, histórias, textos para reflexão e análise crítica. Tudo com uma pitada de pimenta e irreverência. Um pequeno registro dos meus pensamentos acerca do cotidiano de Parauapebas, dos embates políticos e das preocupações com o nosso futuro. 

A seleção foi feita de forma cuidadosa e criteriosa para quem gosta de uma boa leitura da forma tradicional. Ler um Blog é uma coisa, agora folhear um livro e ter ao seu alcance para manipular quando bem entender é uma experiência muito além da fria leitura eletrônica. Dessa forma pretendemos oferecer aos fãs do nosso trabalho uma oportunidade de guardar e dividir essa experiência.

Em dezembro o livro deverá ser lançado em edição limitada sem grandes pretensões ou estardalhaços. Tudo de forma bem discreta como tem sido esse Blog. Aguardem!

domingo, 23 de novembro de 2014

GESMAR ASSUMIRÁ A VAGA DE DEPUTADO NA ALEPA

A votação que o Gesmar obteve na eleição para Deputado Estadual não foi suficiente, mas deixou-o como primeiro suplente do PSD. Não é novidade para ninguém que o candidato foi abandonado pelo Prefeito Valmir na reta final da campanha. Valmir é do tipo vaidoso e viu que Gesmar poderia se eleger e disputar com ele o espaço de principal liderança no partido. Assim, puxou o seu tapete e não cumpriu nem com a metade do que foi prometido para a campanha. Além disso, turbinou a campanha da Luzinete e de outros candidatos com o claro propósito de boicotar sua eleição. O Gesmar chegou a confidenciar com amigos próximos que Valmir o deixou em situação difícil, com uma enxurrada de dívidas e acordos não cumpridos com lideranças no sul e sudeste do Pará. Gesmar estaria fora do cenário político e nem para o SAAEP voltaria mais.

Como num golpe de sorte, o Gesmar deu uma volta por cima, e apesar do Prefeito, será empossado como Deputado Estadual no próximo dia 10 de fevereiro. Como assim? É que pelo menos dois deputados eleitos da coligação da chapa do Gesmar assumirão cargos de Secretários no Governo Jatene. Assim, Gesmar como primeiro suplente já tem sua posse garantida e será Deputado Estadual representando a Região Carajás. Mesmo que não fosse Deputado, o Gesmar estava cotado para assumir a COSANPA (Companhia de Saneamento do Pará).

Veja como o mundo dá voltas, principalmente no campo político! Há menos de um mês o Gesmar estava amargando uma derrota e sem saber como continuaria sua situação que ficou crítica após as eleições. Agora pode escolher entre ser Deputado ou Presidente da COSANPA. Por isso eu digo sempre: não subestime um político quando ele estiver na pior. Ele pode vir a ser seu chefe.

sábado, 22 de novembro de 2014

Brasil, Golpe nunca mais – de nenhum tipo!


O Brasil sofreu um golpe militar em 1964 e implantou, durante 21 anos, a pior ditadura da América Latina, onde os seus algozes agiram livre e impunemente; torturaram, mataram e fizeram desaparecer centenas (quiçá milhares) de cidadãos brasileiros; ditadura esta em que a própria Presidenta Dilma foi vítima.

Desde que o PT ascendeu ao poder através de Lula (2002), a burguesia vem, dia e noite, articulando um novo golpe, só porque não aceita o fato de o povo ter se tornado gente e poder desfrutar os mesmos direitos. Agora, insatisfeita com a inquestionável vitória da Presidenta Dilma Roussef e a conseqüente derrota do seu brinquedinho, esta mesma burguesia, aproveitando-se de loucos como o decadente cantor Lobão e alguns filhos de papai, declara abertamente o desejo de uma intervenção militar – um novo golpe - para impedir a posse da Presidenta Dilma e encerrar assim um período de trinta anos ininterruptos de democracia e doze de crescimento e avanços sociais. Mas o povo brasileiro é soberano e já deu o troco a estes golpistas.

O texto a seguir é uma bela crônica do que foi a ditadura militar brasileira e o que pensa hoje a geração formada por Veja/Globo e Cia. 

J. Orlando Vieira Reis (Zelão).

A intervenção militar e o amor de Lígia
Por Gilberto Amendola – Via Yahoo.

Lígia ouviu quando o neto chegou em casa. Conhecia muito bem aquele jeito estabanado de bater a porta, fazer alarde, tocar trombetas e anunciar a própria presença como se fosse algo extraordinário.

Se ainda pudesse falar, Lígia aconselharia o menino, diria que entrar e sair dos lugares em silêncio sempre foi um talento importante, uma questão de inteligência e sobrevivência.

Mas Bruno era de outra geração, muito mais ruidosa, muito mais “pra fora” do que “pra dentro”.

Estranho.

Embora também não enxergasse direito, Lígia era capaz de apostar que o neto estava enrolado em uma bandeira brasileira. Que orgulho! Finalmente, Bruno estaria despertando para uma consciência política, herança do avô e, sem falsa modéstia, dela própria.

Qual é a causa dos meninos de hoje? - perguntou-se Lígia.

E neste deleite de pensar no neto como uma continuação natural da sua própria alma, fechou os olhos e voltou no tempo. Voltou para um tempo em que a memória ainda é um filme em preto e branco.

Voltou para o dia em que conheceu Pedro.

Foi numa passeata da Rua Maria Antônia, no centro de São Paulo. Lígia, tímida, carregava um cartaz simples, sem muita frescura, dizendo o básico: “abaixo a ditadura”.

Os policiais acompanhavam a manifestação de perto, meio que cercado, meio que intimidando os estudantes. Era um jogo de xadrez em que os dois lados estavam sedentos por chutar o tabuleiro.

E foi Pedro quem deu o primeiro chute.

Como uma maratonista olímpico, Pedro cruzou a barreira dos milicos e, sorrateiramente, deu um “pedala” no capacete de “um polícia”. Os estudantes foram ao delírio, aplausos e gritos de aprovação. Pedro tinha um troféu: o capacete do agente repressor.

A ação maluca de Pedro fez com um corre-corre caótico começasse naquela rua. Bombas de efeito moral, pedras e pedaços de pau cruzaram o céu daquela tarde quente. A cavalaria avançava sem dó - mas era engraçado ver os cavalos escorregando nas bolinhas de gude que a molecada atirava na via.

A polícia queria o menino com o capacete branco. Era uma questão de honra. Mas Pedro corria demais. Um atleta nato. E foi nesta corrida que o destino operou um “atropelamento”.

Pedro tropeçou em Lígia e seu cartaz.

Atordoada, Lígia ajudou Pedro a se recompor. Tudo muito rápido, tudo muito instintivo. Lígia sentiu o bafo quente dos homens da lei, mas aproveitou a aglomeração para puxar o garoto de capacete pelo braço e escapar com ele para dentro do bar do Zé.

Ficaram escondidos no banheiro. O dono do bar era amigo. Ali, eles estavam em segurança. Ali, puderam se olhar, se reconhecer e, quase que imediatamente, se apaixonar. A rua pegando fogo, o País em ebulição, o mundo virado no capeta e, vejam só, aquele casal encontrando uma brecha, um espaço de beleza e paz. Transaram. E nunca uma transa de banheiro foi tão intensa e bonita.

Lígia acordou do sonho com o neto enfiando um copo de leite frio em sua cara.

- Toma - disse seco.

Ela agradeceu com a cabeça, mas Bruno já estava entretido com o seu iPhone 6.

Lígia voltou para dentro dela e continuou assistindo o filme da própria vida.

Ela e Pedro não se largaram mais. No cotidiano universitário, nas festas animadas e, principalmente na luta contra a ditadura.

Primeiro, eles militaram no movimento estudantil, organizavam centros acadêmicos, shows de música brasileira e manifestações.

Não concordavam em tudo. Tinham formas diferentes de enxergar o futuro do País. A revolução começaria pelo campo ou pela cidade? Luta armada ou convencimento político? Maoismo? Cuba? Partidão? Beatles ou Rolling Stones? Ele tinha vaiado "Sabiá" no Festival. Ela achou “Sabiá” a música mais linda do mundo.

Eles ainda não haviam decidido pela luta armada quando um agente da polícia bateu na porta do apartamento em que moravam…

O som que Lígia ouvia agora não era do policial batendo na porta, mas seu neto gritando no celular.

- Você viu que a passeata bombou! Saiu em tudo o que é televisão. Cara, a gente tá foda. Vamos botar pra quebrar.

Lígia se distraiu mas sabia que precisava voltar para suas próprias memórias.
Ela e Pedro tinham “caído”. Sem muita conversa, foram levados para uma delegacia - mais especificamente para um porão escuro e úmido. Tapas na cara e chutes na barriga foram apenas um aperitivo macabro.

Quando Lígia acordou de um desmaio, Pedro já estava pendurado de cabeça pra baixo, com as mãos e os pés amarrados.

Lígia foi obrigada a assistir o namorado tomando uma sequência inacreditável de choques elétricos na língua e no pau. Pedro não gritava. Os olhos encarnavam o medo, mas ele não gritava, não entregava os companheiros, não dava um pio.

Foi quando seis agentes, SEIS, cercaram Lígia. Um dos homens contou para Pedro o que ele e seus amigos iriam fazer com ela, fazer ali, no chão, com força e ódio. Sincronizadamente, os seis homens abriram os zíperes de suas calças…
Só agora Pedro gritou. Pedro chorou. Pedro pediu pelo amor de Deus.
Não adiantou. 

Não adiantou.

De novo, o pensamento de Lígia foi interrompido pelo neto ao telefone:

- Sim, mano, vamos lutar por uma intervenção militar imediata. A gente não pode mais aguentar essa situação. No tempo dos militares não tinha tanta bagunça, tanta corrupção… Minha turma da facu ta fechada, ta convencida que a única solução pro nosso País é a volta da ditadura. Aqui não é Cuba, mano!!!

E Lígia sentiu uma dor muito parecida com aquela que havia sentido nos porões da delegacia. De certa forma, a dor que estava sentindo agora era ainda pior.

Ela resmungou. Chamou a atenção do neto que contrariado desligou o telefone:
- O que foi vó?

Lígia continuou resmungando até que o neto se aproximou - ficando cara a cara com ela.

- O que foi vó?

Tremendo, Lígia jogou o leite na cara do netinho.

E com uma força que deve ter tirado sabe-se lá de onde, gritou:

"BABACA".




sexta-feira, 21 de novembro de 2014

VALMIR NÃO QUER MAIS COMPRAR VEREADORES PETISTAS

Se não fosse pegar mal eu iria dizer: Valmir é o cara! Só não direi porque isso poderá ser usado contra minha pessoa no futuro. Mas começo a levar a sério um secretário do governo que me falou que o Valmir é o mestre na arte de manipulação. É como um ladrão que acabou de assaltar sua casa e te leva no bico e te convence a entrar novamente em sua casa com promessa de que vai te ajudar. Você acha que ninguém cairia nesse conto? Pois nossos "experientes" vereadores caíram e caíram feio.

Depois de várias tentativas frustradas de levar o PT para as maracutaias do Palácio dos Ventos, Valmir resolveu dar uma cartada de mestre. Chamou os quatro e mandou escolher as secretarias. Era tudo ou nada. Isso encheu os olhos dos nossos bravos vereadores de brilho e lhes tiraram a razão. Teve vereador que chegou a se reunir com sua assessoria para convencer que isso era bom e garantiria sua reeleição e benefícios para todos. Chegou a dizer que cada um dos assessores poderia indicar dez vagas de emprego e que muitas outras vantagens viriam. Inocência ou má fé?

O que era para ocorrer em segredo acabou vazando e esse Blog teve papel decisivo para divulgar e denunciar o escândalo. O problema é que ao aceitar a proposta do Prefeito e começar a articular os cargos das novas secretarias os vereadores ficaram expostos à execração pública. Talvez era isso que o Valmir queria. Como dizia nossas avós, pior do que roubar é roubar e não poder carregar.

Odilom deu um empurrãozinho


O Vereador Odilom, líder do governo mais uma vez entrou em campo com sua experiência e maestria. Chamou o Prefeito a conversa e lhe mostrou que essa decisão de levar vereadores petistas para o governo seria uma grande roubada. Argumentou que o Prefeito já tinha a fidelidade canina de um vereador e nas votações em questões importantes, teria os votos de dois dos quatro petistas. Mostrou ao Prefeito que era mais vantajoso e mais barato trazer de volta os vereadores dissidentes da base Charles e Pavão, além de voltar a investir no Bruno Soares.

Charles e Pavão disseram NÃO


Informações seguras chegaram a esse Blog dando conta de que Charles e Pavão disseram não ao governo. Pelo menos foi um não provisório, mas foi um não. A Secretaria de Saúde teria sido oferecida ao Charles e o Urbanismo ou Assistência Social iria para o Pavão. Eles teriam dito que até aceitariam, mas o G-5 teria que ir junto e misturado. Como o Valmir não quer mais saber dos petistas do G-5, a negociação ficou empacada. 

Parabéns aos vereadores Charles e Pavão pela sábia decisão. Aliás, eles já vieram de lá e conhecem muito bem o inferno que os aguardaria. Demonstraram fidelidade ao G-5 e a CPI da Saúde em andamento. Com essa decisão, por enquanto a CPI está a salvo e talvez, como vaticinou o Pavão na última sessão, dê uma dor de barriga em muita gente.

ENCERRADA A ENQUETE SOBRE A ALIANÇA VALMIR E PT

Com as definições bem avançadas das negociações entre o Prefeito Valmir e vereadores do PT, esse Blog lançou uma enquete para saber a opinião do internauta. A situação era tão ridícula que até duvidei da sanidade mental dos nossos edis. Como vi algumas pessoas defendendo essa negociação, comecei a achar que era eu quem estava com problema de sanidade ou estava ultrapassado. Felizmente, o resultado da pesquisa mostrou que eu estava no rumo certo ao ser taxativamente contra. 

A enquete durou sete dias e teve a seguinte pergunta: Na sua opinião, os Vereadores do PT devem se aliar ao Prefeito Valmir? Veja o resultado:

Não. Pois devem manter a dignidade e honrar o mandato de oposição                       - 64%

Sim. Essa união fará bem a Parauapebas                                                       -16%

Sim. Pois assim afundarão o partido de vez                                                    -13%

Não. Pois assim estragariam o Governo Valmir                                               -  7%


Veja que somando os percentuais contrários com as diversas razões, 84% dos internautas condenam essa negociação. Apenas 16% acham que essa união faria bem a Parauapebas. 

Esse resultado trará à militância política mais gás para fazer a grande mobilização que está planejando para enquadrar os indecisos e parte da diretoria que tentou vender o partido. Apesar das dificuldades, o PT é um partido grande e forte e deverá continuar a trilhar o caminho da oposição ao governo Valmir. 



quarta-feira, 19 de novembro de 2014

SESSÃO DE 18 DE NOVEMBRO - VALMIR PEDE PARA SAIR

A sessão de ontem (18) foi diferente em todos os aspectos. Com as ausências de Odilom, Josineto, João do Feijão, Devanir e Luzinete, o G-5 dominou a Mesa Diretora e a sessão. A Mesa foi composta por Arenes, Bruno, Eliene e Maridé. Segundo o vereador Pavão o Maridé estaria apenas enfeitando a mesa, mas o comando era do G-5.

Com as ausências dos principais governistas o G-5 bateu e bateu forte no governo Valmir Mariano, e dessa vez não teve Odilom para responder e bater de volta. Por falar em bater, percebo que alguns vereadores estão fazendo o jogo do bate e assopra. Em uma sessão pregam a união e o diálogo com o governo e na outra batem pesado. Não sei se é alguma estratégia política ou se estão esperando alguma contemplação no governo. O fato é que após o início da negociação de compra de alguns vereadores  os discursos se alteraram bastante. Quem quiser saber como anda a negociação é só ir para a sessão e observar os discursos.

Pavão - CPI vai dar dor de barriga


O vereador Pavão foi o primeiro a usar a tribuna e entrou de sola no governo. Numa espécie de justificativa afirmou que o G-5 está mais unido do que nunca e que não vai desistir dos propósitos. De forma irreverente disse que essa CPI não vai acabar em pizza como muitos esperam, mas vai sim acabar numa bela feijoada e vai dar dor de barriga em muita gente. 

Como esse Blogger torce pelo resultado positivo da CPI sugiro que o grupo foque mais no objetivo principal que é descobrir o esquema de corrupção. Ficar discutindo se implanon é benéfico e se está dando resultado não deve ser foco. O grande XIS da questão é a compra ilegal dos contraceptivos. Se a compra foi ilegal, é claro que houve corrupção. Se houve corrupção, quem ganhou? Onde está o dinheiro desviado? Quanto foi desviado? Quem pagou e quem recebeu propina?

Miquinha - Um espião na Câmara


Mais uma vez o vereador Miquinha bateu na Secretaria de Meio Ambiente e no Secretário André Rosa. Afirmou que tem um advogado pago com dinheiro público que tem a única função ficar escondido na plenária para fiscalizar vereador. Ironizou pedindo ao Presidente que chamasse o advogado para a tribuna de honra, para assim, fiscalizar melhor.

Miquinha disse não entender como um secretário como o André ainda continua no cargo. "Parece que coisa ruim gosta de coisa ruim", disse o vereador se referindo ao Prefeito e ao Secretário. Falou que esse secretário continua fazendo barbaridades com o Meio Ambiente e acabando com Parauapebas.

O vereador também criticou a atuação do Secretário de Produção Rural Horácio. Afirmou que estão tirando o direito do colono que já é tão esquecido e favorecendo os atravessadores que fornecem para o Hipersena. "Já tiraram até a Casa do Colono por interesses particulares", indignou o vereador.

Bruno Soares - Lixo hospitalar espalhado pelas ruas


Bruno também iniciou o discurso exaltando o G-5 que, segundo ele, está contrariando os pessimistas que não acreditam na classe política. É vereador, não é só os pessimistas que não estão acreditando na classe política não! Com os últimos acontecimentos tem muita gente boa perdendo a esperança. Continuando sobre o G-5, afirmou que o maior objetivo do grupo é tirar o prefeito do poder.

O vereador denunciou o contrato fraudulento da coleta de lixo e a forma irresponsável como esse governo vem tratando do assunto. Exibiu no telão uma reportagem da Tv RBA onde mostra lixo patológico como seringas, agulhas, resto de sangue, entre outros espalhados na rua nas proximidades do Hospital Municipal. Lixo hospitalar traz eminente risco à saúde e por lei tem que ser tratado de forma especial por equipe especializada. Aqui em Parauapebas está espalhado pelas ruas expondo a população a altos riscos de contaminação. Esse fato por si só já provocaria o afastamento do Prefeito, mas aqui nada acontece. Chamou o Prefeito Valmir de omisso por ter demitido o Secretário de Saúde e até hoje ainda não ter nomeado outro, deixando a pasta abandonada e sem comando.

Bruno afirmou em seu discurso que o problema é generalizado em todas as secretarias. O Prefeito, segundo ele, perdeu o comando e "deveria pedir para sair e cuidar de sua saúde, pois Parauapebas está precisando de um gestor com disposição para trabalhar e não de um idoso que não tem a mínima condição de governar", asseverou Bruno Soares.

SAAEP não paga conta de energia


Outra denúncia grave feita pelo vereador Bruno foi sobre o calote que a SAAEP está dando. Segundo ele, a autarquia não paga a conta de energia há quatro meses e a qualquer momento a CELPA poderia cortar a energia e deixar toda a cidade sem água. "Todos sabem que a SAAEP foi usada para campanha política de um candidato e por isso está nessa situação", acusou o vereador.

Como anda a negociação dos vereadores com o Prefeito?


Pelo tom dos discursos dos vereadores na sessão dessa terça, parece que a compra dos vereadores está dando água. Eu não disse? Alguém ainda é louco para acreditar que Valmir cumprirá qualquer acordo? Como eu disse anteriormente, a ganância deixa o sujeito cego, surdo e doido. Informações acabam de chegar ao Blog de que o Prefeito mudou completamente o foco. Ele teria descartado o PT por orientação do líder do governo na Câmara e está tentando atrair os dissidentes de sua base. Vou averiguar e se confirmado, informarei a vocês.



terça-feira, 18 de novembro de 2014

GOVERNADOR JATENE SE VINGA DA REGIÃO CARAJÁS


Mal passou a eleição o governador reeleito Simão Jatene despejou seu saco de vingança com toda crueldade sobre a cabeça do povo da região do Carajás. De forma mesquinha e cheia de ódio, o governador  que já deixava essa região abandonada, agora amplia sua maldade com drástica redução orçamentária.

A proposta de lei orçamentária  para 2015 enviado à Assembleia Legislativa pelo governador destina à Região Metropolitana 71,5% do bolo de R$16,3 bilhões. O valor é 96,88% maior do que o do ano passado. Em valores, esse orçamento para a Região Metropolitana saltou de R$ 5,9 bilhões em 2014 para R$ 11,7 bilhões.

Enquanto isso, a região de Carajás que tinha míseros 8,88% em 2014 ficou apenas com 2,68% para 2015. Era pouco mais de R$ 1 bilhão e cai agora para R$ 438,2 milhões em 2015. A região do Tapajós também foi castigada pelo governador e teve seu orçamento de 1,42% em 2014 reduzido para 0,66% em 2015.

Essa concentração do orçamento na Região Metropolitana e o esvaziamento para o interior  piora ainda mais as brutais diferenças e condena o nosso povo a sofrer ainda mais o abandono do Estado. Isso deve acirrar o desejo de separação dessa gente tão castigada.

Teremos que amargar mais quatro anos de desprezo e de falta de gestão desse governador rancoroso e inconsequente que não é capaz de enxergar o povo paraense independente de suas preferências políticas. Não foi a toa que o povo de Carajás e de Tapajós disse não à Jatene. Infelizmente a região que mais produz riqueza e divisa para o nosso Estado amargará um período de escuridão, de falta de investimento e abandono. O nosso povo trabalhador continuará sustentando o Estado e recebendo em troca o desprezo e toda forma de humilhação.


Infelizmente, talvez nossos deputados não sejam capazes de reverter essa insanidade na Assembleia Legislativa, pois estamos muito mal representados.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

ENQUETE SOBRE A ALIANÇA DO PT COM VALMIR

Você já votou na enquete sobre a aliança dos vereadores do PT com o prefeito Valmir?

Se ainda não votou vá para o lado direito superior da página e vote. Queremos saber sua opinião.

CAI MAIS UM SECRETÁRIO NO GOVERNO VALMIR


 
Dessa vez a vítima foi Marcel Nogueira, Secretário da SEMEL (Secretaria Municipal de Esporte e Lazer). Seguindo o seu “modus operandus”, no dia 13 de novembro o Prefeito Valmir chamou o Secretário e pediu que preparasse sua carta de exoneração. Assim, o Marcel Nogueira está se despedindo do cargo de Secretário, e limpando as gavetas para nos próximos dias entregar a Secretaria ao chefe.

Com a saída do Marcel, restam somente três secretários que estão desde o início do governo Valmir: Leudicy Leão (SEMAS), Horácio (SEMPROR) e Wadyr (SEMAD). Com a negociação com os vereadores petistas, nenhum deles estão com os seus cargos a salvo.

Valmir reduz o preço dos vereadores do PT




No início da negociação da compra e venda, o Prefeito mandou os vereadores petistas escolherem as secretarias que quisessem. Até a SEMED (Secretaria Municipal de Educação) estava na lista petista. Isso fez com que os vereadores se assanhassem e assumissem publicamente pela primeira vez que iriam para o governo. Percebendo que as vítimas tinham engolido a isca o Valmir decidiu brincar um pouco com os peixes antes de fisgar de vez.  Com o desenrolar das conversas ele foi pisando no freio e percebendo que a turma valia muito menos. De cara descartou a SEMED. Agora já cogita em declinar de oferecer a SEMURB (Secretaria de Urbanismo), a SEMAS (Secretaria de Assistência Social) e a SEMPROR (Secretaria de Produção Rural), e no lugar dessas quer oferecer a Secretaria de Esportes do Marcel, o Meio Ambiente do André Rosa e a Secretaria de Administração do Wadyr. 

Agora que o estrago já foi feito, poucas opções restam aos vereadores petistas. Com o vazamento das informações de que já haviam decidido se vender para o Valmir, ficaram em situação complicada e sendo linchados moralmente pela sociedade. Nas rodas políticas e nos botecos da cidade, comentam que o Wanterlor está sorrindo a toa, pois com essa negociação reconquistou parte de sua credibilidade perdida junto ao Prefeito. 

Talvez algum vereador petista resolva voltar ao seu juízo normal e perceba a besteira que está fazendo. Nesse caso, assumirá seu erro junto a militância do partido e retornará ao seu trabalho de oposição e reconquiste a sua moral.

Vereador Bruno já esteve nessa situação




Um exemplo de como essa decisão de ir para o governo é uma furada é o vereador Bruno Soares. Com um discurso forte de oposição e dando muito trabalho aos governistas, Bruno foi cooptado pela turma do Valmir e passou um tempo entre a neutralidade e a defesa do governo. A promessa seria a criação da secretaria de Terras para ele. Todos percebiam como o vereador Bruno estava murchando e caindo no ostracismo. Seu discurso se tornou vazio e até sua página no Facebook estava parecida com a página da ASCOM. Bruno estava morrendo politicamente.

Como o vereador Bruno é inteligente, percebeu a roubada em que estava se metendo e corrigiu sua rota. Assinou a CPI da saúde e foi força vital para a composição do G-5. Seu discurso, sua postura mudaram da água para o vinho e no momento, está recuperando seu prestígio. Espero que continue nessa rota e não caia mais na armadilha sedutora do poder. Espero também que sirva de exemplo à algum vereador petista que está entrando nesse buraco que pode ser sem volta.

domingo, 16 de novembro de 2014

A guerra fria da PF contra o PT





Coincidências acontecem, mas …

Mas a superoperação da Polícia Federal no caso Petrobras nesta manhã de sexta feira parece feita sob medida.

O estardalhaço tende a desviar as atenções das denúncias – frescas e de alta relevância — sobre o comportamento brutalmente partidário dos delegados encarregados das investigações.

As informações sobre o antipetismo estrondoso dos delegados da PF colocaram uma sombra copiosa de dúvida sobre a qualidade das apurações da PF.

Ódio partidário influencia qualquer investigação. Inimigos são tratados com extremo rigor e amigos podem ser convenientemente engavetados caso alguma coisa comprometedora apareça.

O caso do Helicoca é exemplar: como a PF conseguiu não apurar nada, com tantas evidências? Como a ligação com os Perrellas, os donos do helicóptero, foi tão rapidamente descartada?

Aparentemente, a nova fase da operação Lava Jato assinala uma guerra fria entre a PF e o PT.

Há similitudes no comportamento da PF e da mídia. Grandes organizações jornalísticas, quando alguém as aborrece, costumam promover uma retaliação imediata na qual não são poupados os feridos.

A Globo é mestra nisso, mas está longe de ser um caso único.
Num mundo menos imperfeito, as coisas não seriam assim. Mas, no Brasil 2014, são.

A PF tem que ser reinventada. Tanto a PF como as polícias militares são, para usar a grande expressão de Brizola, filhotes da ditadura.

A mentalidade dominante ali é aquela segundo a qual a esquerda come criancinhas.

É o tipo de pensamento com o qual a imprensa, a Globo de Roberto Marinho à frente, intoxicou mentalmente os brasileiros na época dos militares.

As polícias brasileiras são dominadas por uma cultura, ou falta de cultura, de extrema direita.

É esta cultura que tem que ser enfrentada com disciplina, método – e rapidez.

Ou teremos sempre, na PF, investigações partidarizadas – e por isso suspeitas — quando, como no caso da Lava Jato, políticos estiverem de alguma forma envolvidos.